Alguém Vai Vir 

 

Sinopse

                          

Um casal compra uma casa antiga com o intuito de se isolar completamente, mas a chegada do antigo dono ameaça a sonhada felicidade. Ao final revela-se a incapacidade de se estar completamente só, pois é de cada um que brotam os fantasmas do medo e do desejo.

Um casal decide, ou se vê obrigado, a abandonar o convívio social da grande cidade e vai morar numa casa isolada à beira de um penhasco. O que os leva a fazer isso não fica claro. Cria-se um clima de sonho que nos transporta para uma região diferente da maioria das peças naturalistas a que estamos acostumados. “Toda a situação, o diálogo, o cenário, os sons, os objetos, os gestos dos personagens apontam na direção de um território habitado pela mente, onde nossas obsessões, nossos desejos, nossas fantasias são duramente confrontadas com os dos outros. 

A peça tem um grande poder de humor, maior do que o de muitas classicamente rotuladas como “comédia”. Apesar de ser a menos realista e convencional das peças de Fosse, “Alguém Vai Vir” é a que teve maior número de montagens. Escrita sem qualquer indicação de pontuação, as falas soam quase como uma poesia concreta. As interferências, o modo, e a opção individual de cada ator podem variar dentro de um parâmetro extremamente amplo. O estudo e a determinação destes parâmetros é que constituem o principal foco em relação à interpretação. Ao mesmo tempo em que o trabalho se dá dentro de um limite muito rígido de palavras, a partitura física adquire um papel essencial na linguagem do espetáculo. Como tudo é economicamente planejado, o mínimo torna-se visível e significante. Podemos chamar de uma incursão ao ‘teatro absoluto’ onde cada pausa se justifica, cada olhar descrito nas rubricas, cada gesto e respiração têm um sentido além das próprias palavras

 

 

 

FICHA TÉCNICA

 

Autor – Jon Fosse.

Direção – Alexandre Tenório.

Elenco – Sérgio Carrera, Marcelo Diaz e Cristina Cavalcanti.

Tradução e Cenografia: Alexandre Tenório.

Figurinos – Cristina  Cavalcanti.

Iluminação – Tadeu de Araújo.

Direção de Produção – Leopoldo de Léo Júnior.

Produção Executiva – Eneida de Souza Baldini.

 

.